São Tomé e Príncipe: Mulheres discutem equidade em congresso

AGORA member's picture
A desigualdade é muito corrosiva para qualquer sociedade e para a democracia, diz José Maria Neves, ex-primeiro ministro de Cabo Verde.
 
O papel das mulheres no processo de desenvolvimento de São Tomé e Príncipe está em debate no primeiro congresso das mulheres do arquipélago, que arrancou ne esta terça-feira, 19 de setembro dia das mulheres São-tomenses.
 
A abordagem deste tema foi assumida pelo antigo primeiro-ministro de Cabo Verde, José Maria Neves, um dos oradores convidados para o primeiro congresso das mulheres São-tomenses.
 
Maria Neves sublinha a necessidade de intervenções no trabalho, na educação, na política e na saúde para que homens e mulheres se afirmem em pé de igualdade no processo de desenvolvimento dos seus países.
 
O antigo primeiro-ministro de Cabo Verde diz que a desigualdade é muito corrosiva para qualquer sociedade e para a democracia. Apesar dos ganhos verificados nalguns países José Maria Neves afirma, no entanto, que houve espaços onde foram construídos alguns fatores de desigualdade entre homens e mulheres.
 
Em São Tomé e Príncipe a politica é um dos sectores com pouca representatividade feminina. No parlamento só 15 por cento dos deputados são mulheres e no governo elas atingem a fasquia dos 16 por cento.
 
Mais de 80 por cento de mulheres São-tomenses ainda estão ligadas a trabalhos domésticos.