Oposição timorense anuncia coligação pré-eleitoral

AGORA moderator's picture
Aliança para Mudança e Progresso apresenta-se a eleições antecipadas ainda sem data. Três partidos da oposição no atual parlamento são maioria. 
 
Os principais partidos da oposição timorense deram hoje o primeiro passo para a constituição de uma coligação pré-eleitoral, a Aliança para Mudança e Progresso (AMP), que se apresentará às eleições antecipadas ainda sem data marcada.
 
O Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT), o Partido Libertação Popular (PLP) e o Kmanek Haburas Unidade Nacional Timor Oan (KHUNTO) - os três partidos da oposição no atual Parlamento Nacional, onde são maioria - lideram a coligação. "Os partidos CNRT, PLP e KHUNTO celebram este memorando de entendimento para a formação de uma coligação de partidos políticos", refere o texto assinado hoje em Díli por líderes dos três partidos.
 
O memorando representa a "abertura de um novo ciclo político capaz de assegurar paz, estabilidade e desenvolvimento em Timor-Leste", com a formação "de um Governo forte e suportado numa maioria parlamentar motivada e determinada em promover o desenvolvimento do país, melhoria das condições de vida, a consolidação das instituições democráticas e garantir o respeito pela constituição".
 
"Os partidos políticos que formam a AMP continuam unidos, firmes e decididos em continuar a trabalhar conjuntamente para criar condições de estabilidade e governabilidade necessárias para promover o progresso do país e o bem-estar do povo", refere o documento a que a Lusa teve acesso.
 
Outras forças políticas mais pequenas, e sem representação parlamentar, devem juntar-se igualmente à AMP, que deverá formalizar o processo de registo, como previsto na lei, junto do Tribunal de Recurso.
 
A coligação, refere o memorando, está aberto à participação de outras forças - incluindo as agrupadas Fórum Democrático Nacional (FDN) - empenhados em desencadear "mudança para o progresso, baseados em valores de liberdade, justiça e solidariedade".
 
Centenas de dirigentes, militantes e apoiantes dos três partidos e de outras forças políticas participaram no anúncio da coligação, hoje, num hotel em Díli, onde se ouviram os hinos das três forças políticas e o de Timor-Leste.
 
Taur Matan Ruak, líder do PLP e ex-Presidente da República, é o porta-voz da coligação que lidera em conjunto com Xanana Gusmão, presidente do CNRT e José Dos Santos Naimori Bukar, conselheiro e fundador do KHUNTO.
 
Além de Matan Ruak e de Naimori assinou o documento o secretário-geral do CNRT, Francisco Kalbuadi que aos presentes disse ter sido mandatado por Xanana Gusmão, que é esperado este mês em Díli.
 
Xanana Gusmão, ausente de Timor-Leste desde 11 de setembro do ano passado e que está esta semana a liderar a delegação de Timor-Leste nas negociações com a Austrália sobre fronteiras marítimas, em Sydney, não participou no encontro.
 
No seu discurso Taur Matan Ruak destacou o facto de Timor-Leste estar a viver uma crise como a atual "pela primeira vez na história", com a dissolução do Parlamento nacional e outros momentos vividos a serem um "teste à constituição". Agradecendo o trabalho feito pelas bancadas e estruturas nacionais e locais dos partidos, Taur Matan Ruak considerar essencial "trabalhar para dignificar a nação e o país" em prol de um "povo que tanto lutou, que tanto sofreu, que se sacrificou".
 
Matan Ruak apelou à população para que mantenha a tranquilidade e calma dos últimos meses e agradeceu aos parceiros da coligação do Governo, Fretilin e PD, "que apesar das diferenças sempre atuaram com respeito".
 
Taur Matan Ruak disse que a AMP aceitava a decisão do Presidente da República avançar para eleições antecipadas, apesar dos três partidos "terem condições para ser alternativa". Agora, disse, é importante "trabalhar para vencer" para ampliar a maioria no parlamento e convencer quem não votou a juntar-se à AMP.
 
Kalbuadi disse que as três forças políticas estavam empenhadas em continuar juntas "em defesa do interesse nacional e do interesse do povo", depois de um processo de aproximação no parlamento "que exigiu paciência, vontade e trabalho incansável".
 
A AMP vai ainda acordar nos seus símbolos, incluindo bandeira e logo, e depois concluir o processo de registo.
 
Fonte do CNRT confirmou à Lusa que cada partido, internamente, vai agora realizar conferências ou congressos para formalizar a sua participação na AMP, esperando-se depois uma reunião magna da AMP.
 
A legislação determina que o registo das coligações pré-eleitorais é um dos primeiros passos do calendário eleitoral, que deverá ser conhecido nos próximos dias, quando a data das eleições for anunciada pelo Presidente da República, Francisco Guterres Lu-Olo.